12.8.14











Não posso sofrer por antecipação. 
Se der, dá, se não der, não deu...
um dia de cada vez!

Como é que alguém respeita alguém, quando está tudo bem na relação de repente vai foder com outra pessoa so porque a  carne é fraca? Que estupidez! Quem trai não merece respeito.

O Amor não é Isto. Claúdia Ramos

11.8.14

Sampa


Março de 2014. Verão. Lá estava eu na cidade mais populosa do Brasil e da América do Sul: São Paulo. Não me arrependo de ter caminhado por uma cidade de 20.000.000 de habitantes.
É claro que depois de ter estado no Rio de Janeiro, qualquer canto desse imenso país poderia parecer feio mesmo que não o fosse, mas era. Muitas pessoas já me disseram: São Paulo tem tudo o que você quiser mas ninguém disse nunca: São Paulo é lindo, porque não é...mas é São Paulo.

Caminhei só pela Avenida Paulista, que, para quem não sabe, é considerada um dos principais centros financeiros da cidade, assim como também um dos seus pontos turísticos mais característicos: está cheia de sedes de bancos, consulados, hotéis, empresas, restaurantes... é a Livraria Cultura. 
Aliás, a minha amiga paulistana percorreu a cidade a pé, de metro e de carro, comigo. Fomos ao Parque Ibirapuera, jantámos num boteco da Rua Augusta, onde a comida era uma delícia e juro-vos que nunca mais me esqueço da caipirinha "seleta", porque, no dia seguinte, acordei com uma ressaca monumental. 
De carro deu para ver a Avenida Ayrton Senna (foi lá que ouvi falar dele pela primeira vez), contemplar o Rio Tietê, visitar a Catedral de São Paulo, tentar subir ao Edifício Itália,  o prédio mais alto da cidade, beber uma cerveja com um desconhecido, no Bar Brahma,  no cruzamento das ruas Ipiranga com São João; passear pelo Bairro da Liberdade, reduto da comunidade japonesa da cidade (têm de saber que a minha amiga é japonesa-brasileira, como muitos paulistas). Ouvir a minha amiga discutir por causa do trânsito, ou por causa do futebol, enquanto passamos de carro pela frente do Itaquera, estádio do Corinthians (ela torce pelo Palmeiras). Jantar no Shopping Higienópolis, após ter usufruído de um desfile de cães disfarçados (era Carnaval). Acordar no 13º andar de um prédio do Bairro de Santana, zona norte de São Paulo... mas o que mais me chamou à atenção foram as luzes dos prédios...como naquele filme brasileiro...
"Não da para ver direito as estrelas no céu de São Paulo. Parece que o céu caiu sobre nós e, para ver as estrelas, temos que olhar de cima para baixo".

9.8.14


Temos essa maldita mania de querer avaliar tudo e todos a toda a hora, o cérebro não chega para tanto, porque são tantos os pormenores que queremos controlar na vida dos outros que a nossa nos escapa entre os dedos.

O Amor Não é Isto. Cláudio Ramos

1.8.14

E estranho que alguém com quem nos cruzamos uma vez na vida nos mude o pensamento, as rotinas, nos altere as vontades...

O Amor não é Isto, Cláudio Ramos
Maldita forma de gostar. Maldita mania de achar que por ser giro e alto se pode brincar com os sentimentos dos outros.

O Amor não é Isto, Cláudio Ramos

26.7.14


Missing somebody?  Call

Wanna meet up?  Invite

Wanna be understood?  Explain

Have questions?  Ask

Don´t like something? Say it

Want something? Ask for it


23.7.14

What he wrote me

I am awake. I used to write about the "auto-pilots" who walk through life and wake up at 36 years old and realize that they just wasted the best years of their life. They never truly tune into their feelings, their passions, their level is monotony. I am always in the process of evolution. Many things have happened to me since 2006, great and horrible, but it's about moving on and progression. Everything comes full circle, just like the four seasons. If you have a horrible winter, next time you get better, you get stronger, you get more organized for the event. You learn, you progress and make yourself the best you can be. It's not easy, it's not easy at all. But i believe it's necessary to want to get better. 
I see you as someone who enjoys the dark side but I see so much light in you. You have to let the light out...

I never knew the person who was "bane" for 2 days in Oporto and I don't need to know that person. If you still feel lost then what are you going to do about it? You seem to have a lot of passion over language and different cultures and literature and life. What can you do with it?

 You are a free soul. Be you. Progress. Stop the past, stop the negative and enjoy the beautiful life around you. You have a lot to give and I only knew you for 2 days. A girl at 27 that brings up Jack Kerouac in a club at 6am is very different, in a great way. Don't forget that. And don't forget Jack's "Pain or love or danger makes you real again" 

12.6.14



Cala-te.
Tens de saber que não existem mulheres para casar e mulheres para foder. Todas gostam de "transa", de envolvimento e de paixão (mesmo que não o digam). Todas gostam de serem atiradas contra a parede, encantadas, deslumbradas, cativadas, corrompidas pela sedução. Todas. Não te esqueças disto. Do mesmo jeito que  gostas de te gabar diante dos teus amigos contando quantas meninas já comeste. Da mesma forma que te jactas de contar aos outros que tens namorada e que a queres, mas que agora estás longe e a tua vida cá não é a mesma que lá. Para com isso. Não te enganes a ti próprio. A vida é a mesma, não queiras viver uma mentira. Não queiras mergulhar nessa dupla moral vazia, podre, contaminada e pervertida. Afixa isto no teu cérebro:
Não existem dois tipos de mulheres, existem centenas, milhares, milhões  de géneros de mulheres e todas querem a mesma coisa: serem respeitadas.

Eu disse para te calares.

O texto é meu. 

6.6.14

Para ser modelo, antes mesmo de talento ou boas intençoes, você precisa ganhar uma loteria genética. Deve ser alta, magra e ter um rosto que chame a atenção. O padrão europeu frequentemente prevalece. Não há muito merecimento. É sorte.
Essas sortudas são vistas como portadoras da beleza certa, aquela que toda mulher deveria ter. Infelizmente, elas representam estéticamente falando, apenas uma fatia da população. Porém, saiba que até mesmo nós, escolhidas a dedo pelo mercado, passamos por extreme makeovers na hora do vamos ver. Eles alongam nossas pernas, clareiam nossos olhos, amenizam nossas rugas, inflam nossos lábios. Essa perfeição imagética, na verdade, é criada no computador e difícilmente retrata a realidade.
Veja o meu caso: eu comecei no mundo da moda aos 16 anos, já arriscando trabalhos de femme fatale...sem nunca ter beijado na boca. E pensar nas inúmeras fotos de biquíni que fiz em estúdios, enquanto, na vida real, usava maiô para ir à praia por morrer de vergonha do meu corpo. Pergunto-me se alguém percebe que os rostos e os corpos que estrelam editoriais e campanhas são de meninas que muitas vezes nem menstruaram. É louca essa ideia de ser adolescente e ter que passar um sex appeal imenso, mesmo que ainda seja virgem!
Revelo: precisei ir a uma psicóloga para aprender a flertar, pois me achava feia. Na frente das câmeras, me sentia à vontade, mas, numa conversa com um cara qualquer, eu travava.
A modelo tem que passar um imagem de quem está bem a toda hora. Uma pessoa real, de coração pulsante, não.

Michele Provensi, modelo brasileira. 
Revista ELLE Brasil, março 2014.

23.5.14


"Eu não quero o teu corpo
Eu não quero a tua alma,
Eu deixarei intato o teu ser, 
a tua pessoa inviolável
Eu quero apenas
 uma parte neste prazer
A parte que não te pertence.

Joaquim Cardoso

23.4.14

Sempre desprezei as coisas mornas, as coisas que não provocam ódio nem paixão, as coisas definidas como mais ou menos, um filme mais ou menos ,um livro mais ou menos. 
Tudo perda de tempo. 
Viver tem que ser perturbador, é preciso que nossos anjos e demônios sejam despertados, e com eles sua raiva, seu orgulho, seu asco, sua adoração ou seu desprezo. 
O que não faz você mover um músculo, o que não faz você estremecer, suar, desatinar, não merece fazer parte da sua biografia.

Martha Medeiros

18.4.14


"Não sinto nada mais ou menos, ou eu gosto ou não gosto. Não sei sentir em doses homeopáticas. Preciso e gosto de intensidade, mesmo que ela seja ilusória e se não for assim, prefiro que não seja.

Não me apetece viver histórias medíocres, paixões não correspondidas e pessoas água com açúcar. Não sei brincar e ser café com leite. Só quero na minha vida gente que transpire adrenalina de alguma forma, que tenha coragem suficiente pra me dizer o que sente antes, durante e depois ou que invente boas estórias caso não possa vivê-las. Porque eu acho sempre muitas coisas - porque tenho uma mente fértil e delirante - e porque posso achar errado - e ter que me desculpar - e detesto pedir desculpas embora o faça sem dificuldade se me provarem que eu estraguei tudo achando o que não devia.
Quero grandes histórias e estórias; quero o amor e o ódio; quero o mais, o demais ou o nada. Não me importa o que é de verdade ou o que é mentira, mas tem que me convencer, extrair o máximo do meu prazer e me fazer crêr que é para sempre quando eu digo convicto que "nada é para sempre."

Gabriel Garcia Márquez


Um texto que é a minha cara,
 obrigada Pedro T.